Posts com Tag ‘sociedade’

Ao saber quanta água é consumida* para produzir um hambúrguer, ou um par de sapatos, ou uma xícara de café ou diversas outras coisas, percebi quantas coisas podemos fazer diferente, contribuindo para o uso racional dos recursos naturais, para a preservação do meio ambiente e em favor do bem-estar da nossa própria espécie.

São Francisco de Assis acreditava que a riqueza desperta a cobiça: ele dizia, já naquela época (séc. XII e XIII), que o apego aos bens materiais afastava a sociedade de Deus. Ele foi considerado um lunático pelo próprio pai. E tantos outros líderes que pensavam muito além dos seus tempos também o foram, incluindo Jesus.

Hoje, a ânsia desenfreada pelo consumo afasta as pessoas de suas próprias humanidades e da comunhão com o seu  meio ambiente.

Gravura de São Francisco de Assis

São Francisco de Assis, do site http://blog.cancaonova.com

O que podemos fazer, então?

A título de exemplo, considerando que a água potável é o nosso bem mais precioso e escasso em todo o planeta, poderíamos economizar:

a) 15.500 Litros de água, comendo 1kg de carne bovina a menos, substituindo uma porção desta por outra fonte protéica, com menor pegada ecológica;

b) 8.000 Litros de água, usando nossos sapatos por mais tempo, adiando a compra de um par de sapatos novos ou, ainda, doando sapatos que não usamos para quem precisa;

c) 2.400 Litros de água, reduzindo um hambúrguer de nosso consumo em fast-foods;

d) 518 Litros de água, trocando o suco de laranja industrializado pelo suco de laranja natural, feito em casa;

e) 140 Litros de água, tomando um cafezinho a menos;

f) 35 Litros de água, deixando de tomar 1/2 litro de Coca-Cola, substituída com vantagens por água pura (sem falar na economia da garrafa PET, que vai deixar de poluir o ambiente).

(As referências são da Revista Veja, edição especial 2010, baseada em Hans Schreier, Les Lavkulich and Sandra Brown / Water footprint Network / FAO / UNESCO)

O vídeo abaixo ilustra muito bem o que estamos falando (da série Consciente Coletivo do Instituto Akatu, HP e Futura):

Tudo o que nós consumimos e tudo aquilo que fazemos consome água e outros recursos naturais, em maior ou em menor medida. Percebemos que é fácil darmos a nossa contribuição para a sustentabilidade ambiental, por menor que essa possa parecer.

Em post anterior comentei sobre “pegada ecológica” (Veja aqui o tamanho da sua Pegada Ecológica!).

Será que consumimos pensando no meio ambiente, consumimos apenas o suficiente, apenas o que nos basta para o dia-a-dia?

– Como utilizamos a água? Re-aproveitamos a água? Deixamos a mangueira ligada um tempão no jardim, ou lavando a calçada, ou o carro? Durante o banho, fechamos a torneira quando nos ensaboamos?

– Deixamos luzes e equipamentos ligados em vários cômodos, ou procuramos poupar energia?

Procuramos maximizar as caminhadas, usamos transporte coletivo, andamos de bicicleta, damos carona ou usamos o carro sozinhos, em todas as ocasiões?

– E quanto a presentes, objetos diversos e compras de R$1,99?

Pois bem, considerando o perfil da sociedade ocidental dos dias de hoje, com a nossa pegada ecológica atual, não dá para continuar.

Lais Mourão Sá (A desordem criadora: crise ambiental e educação), cita David Orr (1992):

A crise de sustentabilidade socioeconômica e ecológica que afeta gravemente a modernidade pode ser interpretada também como uma crise psíquica e espiritual. Esta crise de sustentabilidade teria suas raízes na perda dos vínculos éticos que protegiam e regulavam as relações de domínio sobre a natureza, e que foram parte da experiência de nossa espécie, nas sociedades que antecederam o atual modelo civilizatório. Assim, pode-se dizer que a crise atual é fruto de condições patológicas da consciência humana, que anularam a força instintiva de sobrevivência coletiva da espécie, levando-a a destruir as próprias condições ecológicas que sustentam a sua existência no planeta “.

(Ambiente e Educação, Rio Grande, 9: 69-84, 2004)

Com esta reflexão eu concluo, fazendo um apelo para que todos adotemos as melhores práticas ao alcance de cada um, para que nós enfrentemos com determinação e consistência a nossa crise ambiental, que também é espiritual. Não se pede que nos despojemos de todos os bens materiais, como São Francisco de Assis. Mas podemos nos limitar a consumir apenas aquilo que basta para o dia-a-dia de uma vida saudável.

Na dúvida, antes de decidir pelo consumo, façamos a seguinte pergunta:

O que pretendo consumir é apenas o suficiente, apenas o que me basta para o dia-a-dia?

Nossa decisão tenderá a ser consciente e poderá mostrar o caminho da sustentabilidade.

* Pegada ecológica de água (Water footprint): volume total de água que é usado para produzir alimentos e serviços consumidos pelas pessoas, pelo setor produtivo ou por uma nação.

Anúncios

O que diferencia as ONGs genuínas das ONGs “Pilantrópicas?”

Existem diferenças entre Terceiro Setor, Organizações Não Governamentais – ONGs, Organizações Sociais – OS e Organizações Sociais de Interesse Público – OSCIP. Dentre estas existem as filantrópicas, na acepção da palavra, bem como aquelas que, devido ao seu modus operandi, o senso comum apelidou-as de “pilantrópicas”.

O processo de desenvolvimento econômico e social é composto pelo Estado (primeiro setor), pelo empresário privado que almeja lucro (segundo setor) e por entidades privadas sem fins lucrativos (terceiro setor). O Estado possui competências próprias e exclusivas. As entidades com fins lucrativos participam do processo de geração de emprego e riquezas. Já o terceiro setor, deve possuir ação pública apenas complementar ou supletiva, atuando em benefício daqueles que não são satisfatoriamente alcançados pela ação estatal.

As entidades do terceiro setor ao se qualificarem enquanto OS (Lei 9.637/98) ou OSCIP (Lei 9.790/99) se habilitam a receber recursos públicos para implementação de projetos.

As OS e OSCIPS nascem na iniciativa privada, para colaborar operacionalmente com o Estado. As demais ONGs não mantêm qualquer vínculo operacional com o Estado.  Embora possam colaborar com o Estado, não raro são críticas e demandam deste atuação mais efetiva ou diferente da empreendida.

Um bom exemplo de trabalho que encarna genuinamente o espírito das ONGs é aquele que foi desenvolvido por Zilda Arns Neumann. Fundou e coordenou a Pastoral da Criança. Usando a metodologia comunitária de multiplicação do conhecimento e da solidariedade entre as famílias mais pobres, reproduziu o milagre da multiplicação dos peixes e dos pães. Diz-se que, ao meditar a respeito de trecho do evangelho sobre a multiplicação dos peixes, chegou à conclusão que, “ […] em vez de ficar dependendo do governo, nossas famílias deviam se organizar para cuidar de seus filhos” (ALGO MAIS, 2010a, p. 41, grifo nosso). Sondou as comunidades e descobriu lideranças capazes de serem motivadas e preparadas para o trabalho de ações básicas. Fortalecendo as suas auto-estimas, essas pessoas faziam o bem aos vizinhos, sem gastar dinheiro. Multiplicados, tornaram-se um exército de voluntários. E o assistencialismo não estava em questão neste voluntariado. A transformação da comunidade vem pelos próprios integrantes, pela prática da fraternidade e não por interesses políticos ou partidários.

Ressalte-se que “[…] a pastoral da criança gasta em torno de R$ 1,30 por infante para o acompanhamento mensal. Enquanto o Governo está gastando mais de um salário para recuperar as crianças. Zilda Arns alertava: se o trabalho não é feito de fé, irá se acabar (ALGO MAIS, 2010a, p. 41-42, grifo nosso).

“em vez de ficar dependendo do governo, nossas famílias deviam se organizar para cuidar de seus filhos”

Um outro bom exemplo é a Associação Beneficente Criança Cidadã – ABCC, que desenvolveu o exitoso projeto “Orquestra Criança Cidadã Meninos do Coque”, com o objetivo de profissionalizar para o ofício musical 100 crianças e adolescentes com idades entre 8 a 15 anos. Baseia-se no método Suzuki de ensino, participação ativa dos pais, ensino integral, garante inclusive as três refeições diárias, além de atividades esportivas e arte-educativas aos finais de semana. As crianças do projeto foram selecionadas em escolas públicas, levando em conta critérios como desempenho escolar, assiduidades e avaliação vocacional. A ABCC é uma instituição sem fins lucrativos, tem apoio do Poder Público e Sociedade Civil Organizada, e a sua missão é fazer cumprir o que prega o Estatuto da Criança e do Adolescente. Sua iniciativa partiu do Poder Judiciário local, em 2002 (ALGO MAIS, 2010b).

Diversos públicos já se emocionaram com os resultados excepcionais deste projeto dos meninos do Coque. Tive a oportunidade de assistir a uma destas apresentações. As crianças tocam como verdadeiros profissionais. E é visível a elevada auto-estima das crianças, rivalizando esta, apenas, com a admiração e reconhecimento do público com a sua performance musical e social. No início do show os ouvintes são apresentados ao trabalho cidadão. E são alertados que cada criança do projeto, estudando, se profissionalizando, se alimentando e se integrando socialmente, custa em torno de R$ 1.000,00 por mês, ao passo que a manutenção de um preso no sistema carcerário custaria em torno de R$ 2.600,00, sem nenhum resultado visível quanto à ressocialização (o grifo é nosso). Caberia a nós escolhermos um destes dois caminhos, diz o apresentador.

“cada criança do projeto, estudando, se profissionalizando, se alimentando e se integrando socialmente, custa em torno de R$ 1.000,00 por mês, ao passo que a manutenção de um preso no sistema carcerário custaria em torno de R$ 2.600,00, sem nenhum resultado visível quanto à ressocialização”

O que estas duas ONGs têm em comum? Creio que lideranças representativas, capazes e verdadeiramente solidárias, seriamente comprometidas com as suas missões, que realizam um trabalho desprendido de interesses econômicos, políticos ou partidários, aptas a mobilizarem a sociedade e os seus recursos, de modo a que beneficiadores e beneficiários possam, por meio de esforços conjuntos, desenvolverem e expressarem os seus melhores esforços, qualidades e conquistas, em benefício de toda a sociedade.

Mas, infelizmente, nem todas as ONGs parecem agir assim, ainda que qualificadas como de interesse ou de utilidade pública, ou beneficentes de assistência social. E nem sempre as boas ONGs são aquelas escolhidas pelos gestores públicos para se tornarem parceiras, ao contrário do que parece ser muito comum entre as “pilantrópicas”. E há um filme que ilustra, com precisão, o que pretendemos discutir nos tópicos adiante. Dizem as resenhas do filme “Quanto vale ou é por quilo?”:

O filme faz uma analogia entre o antigo comércio de escravos e a atual exploração da miséria pelo marketing social, que formam uma solidariedade de fachada. O filme faz uma grande crítica as ONGs e suas captações de recursos junto ao governo e empresas privadas (WIKIPEDIA, 2010).

Adaptação livre do diretor Sérgio Bianchi para o conto “Pai contra Mãe”, de Machado de Assis, Quanto Vale ou É Por Quilo? desenha um painel de duas épocas aparentemente distintas, mas, no fundo, semelhantes na manutenção de uma perversa dinâmica sócio-econômica, embalada pela corrupção impune, pela violência e pelas enormes diferenças sociais. No século XVIII, época da escravidão explícita, os capitães do mato caçavam negros para vendê-los aos senhores de terra com um único objetivo: o lucro. Nos dias atuais, o chamado Terceiro Setor explora a miséria, preenchendo a ausência do Estado em atividades assistenciais, que na verdade também são fontes de muito lucro. Com humor afinado e um elenco poucas vezes reunido pelo cinema nacional, Quanto Vale ou É Por Quilo? mostra que o tempo passa e nada muda. O Brasil é um país em permanente crise de valores  (Interfilmes, 2010).

Há sempre os que ignoram ou mesmo tripudiam dos valores da democracia e do Estado Democrático de Direito, e deste modo, da própria coletividade nacional. Assim como também há malfeitores à espreita, na espera de oportunidades para pilhar o patrimônio coletivo. Suas condutas contribuem para o esgarçamento da delicada teia social.

Apesar de tudo, existiram e ainda existem pessoas como o maestro Cussy de Almeida, que dedicaram as suas vidas à construção de um mundo mais belo e semearam boas árvores, que darão bons frutos, a exemplo do fomento à Orquestra Cidadã Meninos do Coque, que certamente já produz bons frutos para a nossa sociedade. No momento de sua partida deste mundo, façamos ao maestro uma merecida homenagem. Agradeçamos a todas as pessoas como ele e sigamos os seus exemplos.

Referências

ALGO MAIS. Responsabilidade Social, Zilda Arns também ajudou os pernambucanos. Algo Mais, Recife: SMF/TGI, Ano 4, n. 47, p. 40-42, Fev. 2010.

ALGO MAIS. Orquestra Criança Cidadã dos Meninos do Coque forma crianças e adolescentes na arte da música. Revista Sim!, 2010. Disponível em: <http://www.revistasim.com.br/asp/imprimir_popup.asp? idtexto=4887&idsecao=12>. Acesso em: 14 maio 2010.

PEREIRA JÚNIOR, Jessé Torres; DOTTI, Marinês Restelatto. Gestão e Probidade na Parceria entre Estado, OS e OSCIP: Apontamentos sob a perspectiva dos Princípios e Normas Regentes das Licitações e Contratações Administrativas (Parte II). Boletim de Licitações e Contratos, São Paulo, n. 11, p. 1037-1052, nov. 2009.

WIKIPEDIA. Quanto vale ou é por quilo? Wikipedia, 2010. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/ Quanto_Vale_ou_%C3%89_por_Quilo%3F>. Acesso em: 11 maio 2010.