Posts com Tag ‘natureza’

Ao saber quanta água é consumida* para produzir um hambúrguer, ou um par de sapatos, ou uma xícara de café ou diversas outras coisas, percebi quantas coisas podemos fazer diferente, contribuindo para o uso racional dos recursos naturais, para a preservação do meio ambiente e em favor do bem-estar da nossa própria espécie.

São Francisco de Assis acreditava que a riqueza desperta a cobiça: ele dizia, já naquela época (séc. XII e XIII), que o apego aos bens materiais afastava a sociedade de Deus. Ele foi considerado um lunático pelo próprio pai. E tantos outros líderes que pensavam muito além dos seus tempos também o foram, incluindo Jesus.

Hoje, a ânsia desenfreada pelo consumo afasta as pessoas de suas próprias humanidades e da comunhão com o seu  meio ambiente.

Gravura de São Francisco de Assis

São Francisco de Assis, do site http://blog.cancaonova.com

O que podemos fazer, então?

A título de exemplo, considerando que a água potável é o nosso bem mais precioso e escasso em todo o planeta, poderíamos economizar:

a) 15.500 Litros de água, comendo 1kg de carne bovina a menos, substituindo uma porção desta por outra fonte protéica, com menor pegada ecológica;

b) 8.000 Litros de água, usando nossos sapatos por mais tempo, adiando a compra de um par de sapatos novos ou, ainda, doando sapatos que não usamos para quem precisa;

c) 2.400 Litros de água, reduzindo um hambúrguer de nosso consumo em fast-foods;

d) 518 Litros de água, trocando o suco de laranja industrializado pelo suco de laranja natural, feito em casa;

e) 140 Litros de água, tomando um cafezinho a menos;

f) 35 Litros de água, deixando de tomar 1/2 litro de Coca-Cola, substituída com vantagens por água pura (sem falar na economia da garrafa PET, que vai deixar de poluir o ambiente).

(As referências são da Revista Veja, edição especial 2010, baseada em Hans Schreier, Les Lavkulich and Sandra Brown / Water footprint Network / FAO / UNESCO)

O vídeo abaixo ilustra muito bem o que estamos falando (da série Consciente Coletivo do Instituto Akatu, HP e Futura):

Tudo o que nós consumimos e tudo aquilo que fazemos consome água e outros recursos naturais, em maior ou em menor medida. Percebemos que é fácil darmos a nossa contribuição para a sustentabilidade ambiental, por menor que essa possa parecer.

Em post anterior comentei sobre “pegada ecológica” (Veja aqui o tamanho da sua Pegada Ecológica!).

Será que consumimos pensando no meio ambiente, consumimos apenas o suficiente, apenas o que nos basta para o dia-a-dia?

– Como utilizamos a água? Re-aproveitamos a água? Deixamos a mangueira ligada um tempão no jardim, ou lavando a calçada, ou o carro? Durante o banho, fechamos a torneira quando nos ensaboamos?

– Deixamos luzes e equipamentos ligados em vários cômodos, ou procuramos poupar energia?

Procuramos maximizar as caminhadas, usamos transporte coletivo, andamos de bicicleta, damos carona ou usamos o carro sozinhos, em todas as ocasiões?

– E quanto a presentes, objetos diversos e compras de R$1,99?

Pois bem, considerando o perfil da sociedade ocidental dos dias de hoje, com a nossa pegada ecológica atual, não dá para continuar.

Lais Mourão Sá (A desordem criadora: crise ambiental e educação), cita David Orr (1992):

A crise de sustentabilidade socioeconômica e ecológica que afeta gravemente a modernidade pode ser interpretada também como uma crise psíquica e espiritual. Esta crise de sustentabilidade teria suas raízes na perda dos vínculos éticos que protegiam e regulavam as relações de domínio sobre a natureza, e que foram parte da experiência de nossa espécie, nas sociedades que antecederam o atual modelo civilizatório. Assim, pode-se dizer que a crise atual é fruto de condições patológicas da consciência humana, que anularam a força instintiva de sobrevivência coletiva da espécie, levando-a a destruir as próprias condições ecológicas que sustentam a sua existência no planeta “.

(Ambiente e Educação, Rio Grande, 9: 69-84, 2004)

Com esta reflexão eu concluo, fazendo um apelo para que todos adotemos as melhores práticas ao alcance de cada um, para que nós enfrentemos com determinação e consistência a nossa crise ambiental, que também é espiritual. Não se pede que nos despojemos de todos os bens materiais, como São Francisco de Assis. Mas podemos nos limitar a consumir apenas aquilo que basta para o dia-a-dia de uma vida saudável.

Na dúvida, antes de decidir pelo consumo, façamos a seguinte pergunta:

O que pretendo consumir é apenas o suficiente, apenas o que me basta para o dia-a-dia?

Nossa decisão tenderá a ser consciente e poderá mostrar o caminho da sustentabilidade.

* Pegada ecológica de água (Water footprint): volume total de água que é usado para produzir alimentos e serviços consumidos pelas pessoas, pelo setor produtivo ou por uma nação.

Marina vai ao Acre para votar

Foto: Thays Cabette, Marina vai ao Acre para votar (do site: http://www.minhamarina.org.br)

Marina Silva, a candidata à Presidência da República que em 2010 levou as eleições para o segundo turno, com mais de 20 milhões de votos, como sempre arrasa!

Em seu artigo, destaca a importância estratégica do meio ambiente: está no núcleo das decisões onde aspectos econômicos, sociais, ambientais e culturais são indissociáveis. É necessário pensar em todos esses termos enquanto modelo de desenvolvimento.

Diante da gravíssima crise do aquecimento global, Marina ressalta na importância de buscar o que há em comum entre diferentes correntes de interesses. E a nossa própria sobrevivência e a do nosso planeta são aquilo que melhor representam esta identidade.

Países, instituições, empresas e indivíduos dependem agora da capacidade de adaptação e da revisão de conceitos. Agora só há lugar para economias sustentáveis e tecnologias limpas. Imagino que ela se refere a um Darwinismo econômico: só sobreviverão as espécies mais adaptadas ao novo ambiente.

A população está atenta e mais exigente, quer saber se um produto causa danos ao meio ambiente. “E exige ética do mercado e do poder político”: pressiona para mudar a lógica do modelo de desenvolvimento destrutivo. “Preservar o meio ambiente não é mero romantismo”.

E as empresas já sabem que sem sustentabilidade, o lucro não será o mesmo. É necessário adotar um novo código de inserção social e ambiental (observei que marina sempre respeitou a ordem de citação “social” em primeiro lugar, não esquecendo a importância da dimensão humana do problema).

Marina ressalta o maior obstáculo às mudanças estruturais requeridas: a resistência do poder político ao desejo popular. Priorizam o crescimento rápido e fácil aos compromissos assumidos (se é que muitos dos políticos assumem verdadeiramente algum compromisso com o bem comum, penso eu). Mas os políticos mantêm a retórica em favor da preservação da natureza.

Cita o retrocesso no Congresso Nacional, no tocante ao Código Florestal Brasileiro: o suposto confronto entre meio ambiente e produção agropecuária.

E conclama a população a cobrar dos políticos uma revisão de seus conceitos, para que não tragam retrocesso à legislação ambiental.

rio de sangue.ai

Por coincidência, assisti um documentário sobre Tim Butcher, autor do livro “Rio de Sangue” (Blood River), em que a dimensão humana é confrontada com a dimensão ambiental. Aborda a desastrosa colonização do Congo pela Bélgica, entre os séculos XIX e XX. A ganância pelo marfim, borracha, minérios e outras riquezas da África levaram a uma devastação ambiental assombrosa. Mas uma entrevistada chama atenção para algo que poderia passar despercebido: enquanto muitas horas de documentários foram dedicadas à destruição do habitat e eliminação dos gorilas daquele país, muito pouco se divulgou do genocídio e sofrimentos daquele povo que, ainda hoje, é afligido pelos gravíssimos efeitos da devastação ambiental imposta pela cobiça da civilização ocidental.

Mas a importância da dimensão social não passou despercebida no artigo de Marina Silva, enquanto elemento essencial do processo decisório relativo à gestão da sustentabilidade.

Leia a íntegra do artigo de Marina Silva: Uma evolução silenciosa, Revista Veja, edição especial sustentabilidade, dez/2010

Nesta foto panorâmica que postei no Flickr, temos uma rara visão de dois arco-íris sobre o Parque da Jaqueira em Recife/PE, num dia de chuva e sol. Algumas gotas pingaram sobre a minha objetiva, mas foi por uma boa causa.

*Parece a bandeira de Pernambuco? Imortal na imagem e em nossas mentes, fugaz como o tempo.

Da minha Janela, arco-íris (From my Window, the rainbow)
(Clique na foto para conhecer minha galeria de fotos no Flickr)

É o verde lutando contra o concreto, sobrevivendo teimosamente. É ele quem possibilita tais fenômenos. No passado, ouvíamos mais trovões em Recife e Olinda, as chuvas eram mais regulares, a vida se multiplicava tremendamente com as chuvas, por todas as partes. A vida era mais saudável sob diversos aspectos, afirmação que não ignora os avanços decorrentes do progresso científico e tecnológico, nem o aumento da esperança de vida (veja abaixo o conceito de saúde).

Áreas verdes como estas são cada dia mais raras, e devemos lutar não só para preservá-las, mas sobretudo para ampliá-las. O concreto embrutece, o verde enriquece e faz nossas vidas valerem mais a pena.

Já morei no Rio de Janeiro e em São Paulo. E Recife está ficando (ou já ficou) com os mesmos problemas dessas grandes cidades: violência, estresse, um ambiente desfavorável à vida saudável. E saúde, como me ensinou um sanitarista, é “Viver Mais e Melhor”. Não basta “Viver Mais”. Tem que ser Melhor, também. E é difícil conseguir isso com todos os problemas e todas as preocupações que a cidade grande traz. Basta experimentar uma viagem por lugares naturais como praia ou campo, e ver como retornamos revigorados. Quanta diferença com a vida puramente urbana.

Cada vez nos distanciamos mais de nossas origens naturais. Passamos a considerar naturais os adensamentos populacionais patológicos e toleramos o ambiente feio, cheio de fios, de outdoors, de pedras, com poluição do ar e das águas, com poluição luminosa… Já não se vê nos céus das grandes cidades o que as pessoas de interiores mais distantes ainda vêem: galáxias, nebulosas, muitas vezes a olho nu. Poluição sonora… estresse, irritação… E não entendemos o motivo das pessoas se tornarem cada vez mais irritadas, frias, desconfiadas, intolerantes. É um ambiente inóspito, impróprio para a expressão de muitas das melhores qualidades dos seres humanos.

E a foto escolhida nos lembra que a cidade pode ser mais bonita, mais natural. Em Recife, felizmente, o atual prefeito decidiu reservar uma nova área que seria destinada à construção de um centro comercial para ser um parque natural, no caso, o Parque da Tamarineira, mais verde para o recifense!

Polêmicas à parte, relativas às possíveis vantagens de um centro de compras (sempre o consumo!), sobre mais renda, mais emprego, mais riqueza… Nenhum modelo de desenvolvimento que pressupõe a necessidade de crescimento continuado como condição para o bem-estar social e desenvolvimento humano é sustentável. Além de ser perverso e auto-destrutivo.

O nosso ambiente tem uma capacidade de suporte limitada (capacidade de suporte é um conceito bem conhecido da Biologia Populacional: é quanto o ambiente pode sustentar em quantitativo de certa população. Próximo e acima deste limite surgem ou se tornam mais frequentes certas patologias que afetam severamente as populações. Há doenças que só persistem com elevadas densidades populacionais. As consequências são doenças, custos impagáveis, mortes. Ninguém pense que cenas como a da peste na idade média não podem voltar a ocorrer. Basta uma guerra ou uma catástrofe natural. E isto ocorre sempre, mais dia, menos dia.

É típico dos países subdesenvolvidos concentrarem a maior parte de suas populações em grandes cidades. Por isso, na minha opinião, parabéns ao Prefeito João da Costa pela corajosa decisão de não seguir os interesses exclusivamente econômicos ou quaisquer outros, que não a saúde das pessoas e do ambiente.

Não é exagero a fábula do filme “Onde está Wall-E?”. Os seres humanos expulsos do próprio planeta por eles envenenado, vagando por séculos numa espaçonave, até que um dia a vida volta a ser possível naquele lugar. Começar tudo outra vez. Quem sabe seguindo outro modelo de civilização. O preço foi alto, embora já não mais lembrassem o que era a vida como fora concebida pela natureza, tão acostumados estavam com o exílio no espaço. Mal podiam sustentar seus corpos obesos com esqueletos atrofiados, dada a falta de atividade física. Nem sabiam mais o que era interação social, com outro ser humano de verdade.

Que nós reflitamos e dediquemos maior atenção a questões como estas. O motivo? Imagine o arco-íris e o parque cheio de árvores e pássaros que você pode ter em sua janela. E o cheiro do ar puro que você pode respirar. E toda a vida e convivência de qualidade que podem existir nestes espaços.

Não esqueçamos: “Saúde é viver Mais e MELHOR”.

*PS: um colega chamou a atenção que a foto tinha até um quê da bandeira de Pernambuco, o que eu não tinha notado.  Uma bandeira natural com um toque urbano.

Summary

In this panoramic view, a rare vision of two rainbows, one stronger than the other, at jaqueira park in Recife/PE, Brazil, in a rainy and sunny day.
It is the green fighting against the concrete, surviving willfully.
Green areas as these are rarer today, and we should fight not only to preserves them, but above all to enlarges them.
The concrete brutalizes, the green enriches and makes our lives worthwhile.