Posts com Tag ‘global’

Uma sucessão de desastres naturais recorrentes tem afligido a humanidade, inclusive nós brasileiros, mas parece que não estamos vendo claramente o que está ocorrendo com nossos semelhantes, nem percebendo com lucidez as conseqüências destes eventos importantes, que têm o potencial de mudar drasticamente as nossas próprias vidas, inclusive para muito pior, mesmo contra a nossa vontade e esforços, caso sejamos nós as vítimas. Afinal, somos muito pequenos para enfrentá-los sozinhos, e também coletivamente, se o fizermos de forma desorganizada.

Quando não somos vítimas, não sentimos tão facilmente o drama dos desabrigados. Há o ditado: o que os olhos não vêm, o coração não sente… Será? Vejamos o que os países em todo o mundo têm sentido com as enchentes, inundações, deslizamentos, furacões, terremotos, tsunamis, etc.

O terremoto seguido de tsunami no Japão ainda não virou lembrança, pois o drama continua naquele país, que luta para sobreviver à tragédia humanitária, econômica e agora os seus efeitos radioativos. Esta última uma contribuição da arrogante crença no controle da humanidade sobre as suas tecnologias supostamente mantida sob rédeas.

Mas vejamos o que também acontece mais perto de nós e dos nossos olhos, muito embora passe despercebido por quase todo mundo nestas bandas:

– Durante os últimos 30 anos há os seguintes registros decorrentes de desastres “naturais” para os países da América Latina e do Caribe:

a) Anualmente 5.000 vidas foram ceifadas;

b) As perdas médias anuais têm sido de US$3.200 milhões de dólares: destruição de habitações, prédios públicos, plantações e empreendimentos; desemprego; perda de arrecadação…;

– As perdas tendem a aumentar devido a:

a) Mudanças climáticas;

b) Processos de desenvolvimento que levam à destruição ambiental em áreas vulneráveis;

c) Rápido crescimento de áreas propensas a desastres (ocupações irregulares de morros e margens de rios e córregos, p.ex.).

– Os desastres naturais ocasionam:

a) Impacto negativo na qualidade de vida urbana e rural;

b) Reduzem o capital social e produtivo de um país;

c) Tendem a afetar mais acentuadamente os segmentos mais pobres da população;

d) Podem produzir impacto de longo prazo sobre o desenvolvimento dos países, pois geram impactos inesperados nas contas fiscais e também nas inversões privadas (vejamos o exemplo do Japão, após o terremoto, seguido de tsunami e acidente nuclear… Fábricas pararam e houve desabastecimento de produtos de alta tecnologia);

– É possível caracterizar o risco;

– É possível a gestão do risco;

– Os indicadores de risco permitem analisar a evolução da situação, comparar um país ou local em diferentes épocas;

– Os indicadores podem ser usados em âmbito local;

– Existem níveis de risco de desastres ambientais significativos nos países analisados da América Latina;

Aparentemente tais riscos não foram até então percebidos em sua verdadeira dimensão pelas pessoas, pelos tomadores de decisão, incluindo os governantes, e pela sociedade em geral;

– Um enfoque proativo de redução do risco, se adotado, pode gerar ganhos econômicos e sociais importantes;

– Podem ser adotadas medidas para reduzir as vulnerabilidades frente às ameaças naturais, as quais podem ser integradas aos programas de desenvolvimento e de reconstrução pós-desastre;

A defesa civil poderia usar ferramenta análoga àquela utilizada na saúde, baseada na mensuração e uso de indicadores de riscos. É aplicada na gestão de programas de saúde pública, inclusive no Brasil:

O primeiro passo é monitorar, mensurar e registrar a ocorrência de doenças na população em geral e nas localidades e pessoas em particular (vigilância). São elaborados planos municipais e estaduais de saúde, para fazer frente aos problemas diagnosticados, os quais guiarão a distribuição e gestão dos recursos públicos e a execução de diferentes programas de saúde, a exemplo do programa de saúde da família, agentes comunitários de saúde, vigilância ambiental, emergências SAMU, etc.

O referido sistema se retroalimenta e é continuamente aperfeiçoado, reduzindo os riscos para a população e favorecendo a solução dos problemas.

No caso dos desastres naturais, não basta desenvolver, registrar, analisar e monitorar indicadores de risco em defesa civil, instituir conselhos de defesa civil, realizar conferências de defesa civil, etc.

Isso porque o assunto requer ação muito bem planejada, coordenada e de ampla cooperação entre esferas governamentais e entre setores de uma mesma esfera governamental, incluindo meio ambiente, saúde, ação social, educação, agricultura e pecuária, reforma agrária, trabalho e emprego, Ministérios Públicos, instituições de pesquisa, etc., além da participação da sociedade civil, organizações não governamentais – incluindo todas aquelas que fornecem voluntários nos desastres naturais e muitos outros.

Só uma abordagem holística e integrada de problema tão complexo pode ser promissora. Sem um correto reconhecimento e definição dos problemas e de suas causas, tudo o mais que fizermos a partir daí tenderá a ser pouco efetivo ou até mesmo inócuo.

Então, lembremos do velho ditado: é melhor prevenir, do que remediar. Mas…

O antagonismo entre cura e prevenção dos males acompanha a humanidade há muito. É do tempo de Hipócrates o registro do antagonismo entre as duas filhas do deus Asclépio: Panacéia e Higéia.

“Panacéia preconizava a medicina curativa, prática terapêutica baseada em intervenções sobre indivíduos doentes, mediante manobras físicas, encantamentos, preces e uso de medicamentos, enquanto …

Higéia, defendia a saúde como resultante da harmonia entre os homens e ambientes, e buscava promovê-la por meio de ações preventivas”

(Fonte: http://www.culturabrasil.com.br/programas/radarcultura/limbo/conhecam-a-arte-de-gustav-klimt-na-pintura-de-higeia-reconhecam-a-sabedoria-higeiana).

Mas, retornando aos indicadores de riscos de desastres:

Podemos concluir, a partir dos estudos do BID e do Banco Asiático, dos quais são originárias as informações sobre indicadores e desastres ambientais no mundo, aqui apresentadas, e da própria observação dos acontecimentos, que

é possível monitorar e mensurar os riscos, os quais devem ser percebidos e reconhecidos como um problema socioeconômico e ambiental

(eu diria que isso é indispensável).

Conhecido o risco, é possível adotar medidas preventivas e práticas adequadas de planejamento e gestão, tanto públicas quanto privadas. Sem prejuízo da eventual adoção de medidas corretivas.

Tornamo-nos assim, discípulos de Higéia.

Prevenindo, minimizam-se os impactos socioeconômicos dos desastres, inclusive aqueles decorrentes das mudanças climáticas, tanto quanto possível com as medidas que estiverem ao nosso alcance.

Também, é bom lembrar que se trata de um caminho difícil, longo e que pode demorar décadas, o mesmo tempo que dedicamos à depredação do meio ambiente. É a velha história da “porta estreita”. Não são comuns as soluções fáceis para problemas difíceis e complexos.

Porém, em troca, ganharemos em milhares de vidas salvas anualmente e também na disponibilidade de valiosos recursos que, poupados do uso corretivo ou curativo dos efeitos dos desastres, podem ser utilizados nos processos de desenvolvimento e promoção do bem-estar social.

Evitamos, assim, a previsível e eterna reconstrução, à semelhança do mito de Sísifo, “condenado a repetir sempre a mesma tarefa de empurrar uma pedra de uma montanha até o topo, só para vê-la rolar para baixo novamente

O outro caminho é nos tornarmos seguidores de Panacéia. Aliás, esta tem sido a preferência da humanidade ao longo da história, e ainda parece ser a escolha preferida da maioria, até hoje.

Mas, atenção! Veja-se a situação das cidades e populações pernambucanas em estado de calamidade pública e situação de emergência, há menos de dois anos desde a última enchente de 2010:

Em 2011 as chuvas destruíram, novamente, aquilo que fora destruído também em 2010 (possivelmente o que também foi destruído em 2005, em 2000, e sabe-se lá em quantas outras enchentes do passado):

“Folha de Pernambuco Digital. Domingo, 15 de maio de 2011. Com as novas chuvas, a sensação de trabalho dobrado. O que se viu nas últimas semanas foi quase um espelho do que ocorreu no ano passado. Novamente, escolas paralisaram suas atividades, cidades perderam acessos, casas foram atingidas e as famílias ficaram desabrigadas. Sem previsão ou qualquer alerta, milhares de famílias foram pegas de surpresa. Assim como o Governo do Estado. Para quem não viveu mudanças, a situação foi ainda pior e alimentou o medo dos próximos invernos. (…) Com as obras iniciadas no final de junho de 2010, os municípios tiveram parte dos acessos restabelecidos através de intervenções emergenciais de recuperação de pontes, passagens molhadas e rodovias. Mas, após as chuvas de abril e maio deste ano, parte do que foi reconstruído chegou a ser novamente destruído.”

(Chuvas: trabalho dobrado na Mata Sul – http://www.folhape.com.br/index.php/noticias-geral/637606?task=view).

Em Barreiros e Palmares, por exemplo, muitas pontes ainda continuavam destruídas, há mais de um ano das enchentes de 2010. Passados mais de 12 meses, havia lugares em que a travessia das corredeiras dos rios era feita em pequenas e precárias embarcações, trazendo risco à segurança e à vida das pessoas. Sem falar que a vida de todos fica mais difícil. Simples tarefas consomem muito mais tempo do que o comum, a exemplo de ir e voltar da escola ou se deslocar até uma unidade de saúde, pois as estradas vicinais e pontes sofreram com o desastre ambiental.

Sem um enfoque preventivo, os desastres naturais, que aumentam cada vez mais em decorrência da ação negativa da humanidade sobre o meio ambiente, guardando estreita correlação com o consumo desenfreado – que é estimulado para termos um “desenvolvimento com crescimento econômico continuado”, tendem a ser um ralo gigante, a sugar eternamente os nossos recursos limitados.

Não é fácil a situação das vítimas, tampouco do Estado, cujos governantes  precisam correr para estancar os danos. Mas, nestes novos tempos, nem Panacéia pode dar jeito nesta situação.

Precisamos desenvolver uma consciência coletiva, de que nossos comportamentos condicionam em grande parte a destruição ambiental e aumentam os riscos de desastres daí decorrentes:

– Destruir as florestas e a mata ciliar aumenta o volume e a velocidade das águas nos rios e agravam as enxurradas e enchentes;

– Construir às margens dos rios e córregos provoca danos ambientais e expõe as pessoas ao risco das inundações e enxurradas;

– Extrair areia dos rios altera a dinâmica das águas e provoca assoreamento dos rios e barragens, agravando as enchentes e os danos por elas provocados nas cidades.

Estamos diante do exercício do nosso livre arbítrio. Podemos:

a) Mudar a história, adotando novos comportamentos no tocante ao consumo, ao convívio com o meio ambiente, à ocupação e uso do solo e mudando o atual modelo de desenvolvimento econômico, típico do capitalismo, que é evidentemente insustentável e já destruiu e comprometeu seriamente parcela significativa do meio ambiente planetário;

b) Ou aceitar a profecia autorrealizável de uma nova Ilha de Páscoa, agora em escala global (Saiba mais em: http://planetasustentavel.abril.com.br/noticia/atitude/conteudo_255142.shtml).

Que caminho você pretende seguir?

Anúncios

A insustentável lerdeza do trânsito metropolitano de Recife e capitais: perdemos bens preciosos como tempo em família, lazer, exercícios e saúde, em troca do uso diário do automóvel, trânsito caótico, atropelamentos e acidentes envolvendo caminhões, ônibus, carros, motocicletas, bicicletas e pedestres, além de poluição, stress e doenças do coração…

Publicado: 08/05/2011 em Cidadania, Meio Ambiente, Saúde, Sustentabilidade
Tags:, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

É mole ou quer mais?

Muita gente pensa que abdicar do (suposto) conforto do automóvel e encantos do consumo é o mesmo que voltar à barbárie. Será?

Mas o que caracteriza a barbárie?

– Seriam os milhares de pedestres e ciclistas atropelados, mortos ou lesados por carros e motos que, sendo maiores e mais fortes, se consideram os donos das ruas?
– Seriam as mortes e lesões corporais em milhares de motociclistas, atropelados por motoristas ensandecidos?
– Seriam as agressões recíprocas entre condutores estressados, que perderam o bom senso, a cortesia, a solidariedade e os traços de conduta que caracterizam os povos civilizados, partindo para a competição destruidora e agressões verbais e físicas, por vezes cometendo homicídios?
– Seria o barulho ensurdecedor de buzinas acionadas por motoristas, que não suportam mais ficarem presos no interior dos seus carros, em cruzamentos trancados por veículos que tentam atravessar ao mesmo tempo as vias, em todos os sentidos?
– Seriam os assaltos, por vezes latrocínios, ocorridos em arrastões que ocorrem quando o trânsito está parado?
– Seriam as toneladas diárias de emissão de carbono que saem dos escapamentos de motos, carros, ônibus e caminhões, provocando o aquecimento global, que provoca chuvas, enchentes, enxurradas e furacões, tirando vidas e deixando as vidas restantes um inferno?

O próprio direito de ir e vir, ou a liberdade de escolha de como podemos nos deslocar nas cidades, estão seriamente lesados:

a) Não podemos nos deslocar de ônibus, sem perder um tempo enorme dos nossos dias, pois nossos transportes coletivos estão longe de atenderem às necessidades da população. Sem falar nos riscos constantes de assaltos em certas linhas e horários;
b) Não podemos nos deslocar de moto, sem participar das estatísticas de lesões corporais ou de mortalidade, com ou sem seqüelas, dada a prepotência, arrogância e insanidade de inúmeros condutores de automóveis, ônibus e caminhões;
c) Não podemos nos deslocar de bicicleta, pelos mesmos motivos que afetam os motoqueiros, sendo que também os motoqueiros atropelam bicicletas;
d) Não podemos nos deslocar caminhando, sem correr um alto risco de atropelamento, por qualquer que seja o tipo de veículo, além do perigo de assaltos.

Pois bem: não estamos falando de um risco inerente à vida normal, ao qual todos estamos sujeitos no dia-a-dia. Nossos riscos, no Brasil de hoje, são muito maiores do que os riscos equivalentes em países verdadeiramente civilizados. Basta pesquisar na web nossas taxas de morbidade e mortalidade por causas externas.

Quantas vidas, quanto conforto, quanto bem-estar, quanta saúde, quantos bilhões ou trilhões de reais estamos perdendo com toda essa situação? Será que ninguém percebe que, isso sim, é barbárie?

Francamente, a vida que hoje vejo em Recife, que não deve ser diferente do Rio e São Paulo (cidades onde já morei), nem de outras grandes capitais do Brasil, quem sabe do mundo afora, não é civilização, mais parece barbárie. E muitas vezes não adianta se mudar: há cerca de 10 a 15 anos muitos moradores da Região Sudeste se dirigiram para as águas mornas do litoral nordestino, com ânimo de fixar residência, para fugir do caos urbano. Dependendo da cidade para onde foram, estão revivendo hoje as suas vidas antigas, ou não estão longe de revivê-las.

Com doses diárias e pequenas, fomos nos acostumando com isso: já cheguei a gastar 7 minutos de casa para o trabalho, de carro, em meses de férias escolares, percorrendo um trecho de 3,5 quilômetros. Em média, gastava 10 a 15 minutos, normalmente. Depois, as coisas começaram a mudar: 20 minutos em média, pois cada vez existem mais semáforos e mais veículos. Não tardou, o tempo mais comum passou a ser de 25 ou 30 minutos. Hoje, não raro, gasto 40, 50 ou 60 minutos para fazer o mesmo percurso, de carro. Isso é conforto e comodidade? Na verdade, virou insanidade.

Precisamos fazer algo e não simplesmente esperar que as nossas autoridades “iluminadas” tomem medidas para debelar as causas dos problemas e não apenas os seus efeitos.

O que podemos fazer?

Eu, você e nós:

1) Para quem tem capacidade física suficiente e mora não muito longe do trabalho ou da escola, que tal ir a pé? Gasto 35 minutos para percorrer 3,5 quilômetros até o trabalho, caminhando normalmente. Dependendo do dia, chego mais rápido do que de carro. Chego suado, é verdade, mas estamos nos trópicos. Nada que um kit jeans, camisa pólo, tênis, meias confortáveis e toalha não resolvam. Nos tempos de chuva, precisamos de um pouco mais: sapatos ou botas adequados, guarda-chuvas, capas ou jaquetas impermeáveis;
2) Que tal caminhar até a escola, sempre que possível, ou avaliar a viabilidade de usar transporte escolar para os nossos filhos?
3) Experimentar o transporte solidário: não raro, abrindo mão de um pouco de comodidade, podemos conciliar horários e trajetos de veículo com familiares, amigos e colegas de trabalho;
4) Exigir o direito de compartilhar o prejuízo do tempo perdido no trânsito com os empregadores. O problema é de todos e todos são responsáveis pelas soluções. Além disso, boa parte deste problema é causado pela omissão do Poder Público. Não é justo que o ônus recaia inteiramente sobre o trabalhador que, para chegar pontualmente ao trabalho, precisa sair cada vez mais cedo de casa. E, ainda, chega cada vez mais tarde em casa, privando-se e aos familiares do tempo para suas necessidades diárias, incluindo convívio familiar, lazer e repouso (É um tema que merece discussão ampliada);

Os empregadores:

1) Disponibilizar bicicletário para os seus trabalhadores;
2) Disponibilizar locais para banho e guarda-volumes, além de bicicletários, para viabilizar o hábito de deslocamento a pé ou de bicicleta;
3) Promover políticas de dias de trabalho em casa, sempre que isso for viável ao tipo de atividade. Estar presente no trabalho nem sempre implica em trabalho, produção e resultado;
4) Reduzir e flexibilizar a jornada de trabalho, inclusive em horários corridos, aumentando as opções de escolha de horários de trabalho, o que permite uma melhor distribuição das pessoas em deslocamento, no decorrer do dia.

Os eleitores:

1) Votar em representantes políticos comprometidos com soluções sustentáveis e responsáveis com o bem-estar, saúde das pessoas e preservação do meio ambiente;
2) Não votar em políticos que já tiveram a sua chance e nada fizeram para resolver esses problemas. Ao contrário, se autopromoveram e se locupletaram a partir da função pública;
3) Participar ativamente da vida política. Quando dizemos que não gostamos de política e nos omitimos, delegamos aos incompetentes e aproveitadores as decisões que mudam para pior as nossas vidas: dá no que estamos vendo aí!

4) Não havendo outra solução, por que não iniciarmos ações populares, conforme previsto em nossa Constituição Federal?

O Poder Público:

Deixar de fingir que o problema não é dele e adotar todas as medidas já conhecidas para mitigar e/ou solucionar os problemas direta e indiretamente ligados ao trânsito, como todos aqueles citados no início do texto. Não podem ser apenas medidas pontuais. São problemas que requerem soluções holísticas e efetivas. Exigem visão de longo prazo, bons diagnósticos, ótimo planejamento,  e trabalho cooperativo e coordenado. Exigem a participação de diversas pessoas, autoridades, entidades e esferas governamentais: Ministério Público, Poder Judiciário, Poder Legislativo e Poder Executivo, incluindo secretarias ou ministérios, órgãos de trânsito, planejamento, administração, obras e infra-estrutura, meio ambiente, saúde, ação social, educação e comunicação, bem como do Terceiro Setor, Escolas Públicas e Privadas, Sindicatos, dentre outras, além de trabalho árduo e incessante de todos. Sem esquecer do exercício da cidadania.

Não podemos deixar de enfatizar a necessidade de priorizar os transportes coletivos, disponibilizar vias exclusivas para esses, proporcionar mais ciclovias e muito mais segurança para ciclistas e pedestres, além de cobrar mais pela circulação do automóvel usado individualmente em dias e horários de grande fluxo, bem como promover mais medidas educativas e corretivas para reduzir a violência no trânsito.

Tudo isso tende a diminuir o número de veículos em circulação, reduz a perda de tempo em congestionamentos, minimiza o stress, contribui para melhorar a saúde coletiva e é bom para o meio ambiente.

Não pretendo ignorar outros direitos e necessidades, nem prever todas as soluções possíveis, tampouco suas eficácias. Portanto, conto com a sua colaboração cidadã, para aumentar e melhorar esta lista e discussão.

Mas temos uma outra alternativa: fingir que o problema também não é nosso e esperar para ver como estaremos vivendo daqui a 5, 10 ou 15 anos. Para depois fazermos o balanço entre perdas e ganhos. É pagar para ver.

E aí, você topa ou não topa se engajar neste movimento?

Veja mais sobre o tema em:

Caminhar na ida e volta do trabalho
Trânsito sem Controle – JC Especial

Mal os habitantes da nossa nave Terra principiaram a internalização do grave terremoto seguido de tsunami no Japão em 2011, que ceifou milhares de vidas e causou grandiosos prejuízos econômicos ao país, de difícil mensuração e que certamente produzirá importante impacto global, começaram os protestos contra o uso de energia nuclear, notadamente na Europa, continente que concentra a maioria das usinas nucleares de todo o mundo. Emerge mais uma vez o temor do risco provocado por este tipo de energia, ainda que usada para fins pacíficos, qual seja, a produção de energia elétrica.

Discutia com um colega sobre o assunto e este ponderou que a energia nuclear era uma boa energia. Perguntei se ele ignorava os riscos desse tipo de energia: respondeu que não, mas que ela era importante para todos nós. Perguntei então se menos usinas nucleares representariam menos riscos para a humanidade: respondeu que sim. Em seguida, emendei: se reduzíssemos o nosso consumo, não seriam necessárias menos usinas nucleares?

O meu colega concordou que sim, embora reclamando que não precisaríamos voltar à idade da pedra. Creio que não, respondi, pois não precisamos necessariamente abdicar de todo o conforto que nós conquistamos com o processo civilizatório, especialmente aqueles realmente essenciais. Porém, insatisfeito, apontei para o elevador que esperávamos há algum tempo no 11º andar, gastando parte do nosso precioso bem que é o tempo. E ele próprio imediatamente lembrou, sem que eu usasse qualquer palavra, do absurdo que era pessoas jovens e saudáveis tomarem o elevador para subirem ou descerem do segundo ou do primeiro andar ao térreo e vice-versa, como observávamos corriqueiramente naquele edifício no qual trabalhamos, provocando atrasos no sobe e desce diário de toda a coletividade, tamanho o abuso das chamadas, retenções e do entra e sai dos elevadores. Freqüentemente havia quem tomasse o elevador no segundo andar, subisse ao 11º andar, para então se dirigir ao térreo.

Eis então a questão: não precisamos estar de acordo sobre os benefícios ou malefícios da energia nuclear ou de qualquer outra forma de energia, tampouco precisamos ter pensamentos iguais sobre padrões de consumo e desenvolvimento econômico.

Porém, o consumo irracional, exagerado e o desperdício de recursos é desnecessário e fomenta a destruição de recursos naturais, o que direta ou indiretamente induz o aumento do risco à saúde pública e ao meio ambiente.

Explica-se: o consumo, especialmente o desnecessário, pressuposto do crescimento econômico continuado, conduz ao aumento da destruição de áreas naturais, que serão destinadas à produção de mais energia, e também ao uso de energias perigosas, nocivas ao meio ambiente, potencialmente causadoras de mudanças climáticas ou que ao menos exigem a destruição ou modificações radicais do ambiente natural. São exemplos a energia nuclear, com o temor permanente de vazamentos radioativos; o uso e descarte irresponsável de baterias que contaminam o meio ambiente com metais pesados; ou a energia hidroelétrica que requer a inundação de milhares de hectares de nossas florestas, com sérios impactos ambientais e muitas vezes também sociais.

Precisamos de energia? Certamente que sim. Mas não precisamos de qualquer forma de desperdício.

Ainda que não cheguemos a um consenso sobre uma energia ser boa ou ruim, devemos convir que consumismo e desperdício induzem degradação ambiental, provocam direta ou indiretamente o aumento dos riscos à saúde pública e ao meio ambiente e podem mesmo contribuir para as mudanças climáticas, aumentando os riscos de desastres naturais ligados ao aquecimento global. Como falado em tópico anterior, tudo e todos estamos ligados neste planeta.

Logo, se queremos fazer algo pelo nosso bem-estar e sobrevivência nesta Terra, saibamos que não é possível escolher responsavelmente que tipo de energia teremos, se boa ou má para nós ou para o meio ambiente, enquanto não tivermos consciência de que nós somos os responsáveis, direta ou indiretamente, quer tenhamos consciência disto ou não, pelas decisões dos governos e empresas no tocante à implantação de usinas nucleares, térmicas ou hidroelétricas, cada uma causadora de diferentes tipos de riscos e problemas, por maior que sejam o conforto, ainda que aparente, que elas nos proporcionem.

Não é possível reduzir o número de usinas nucleares ou qualquer outro tipo de usina, para diminuir os riscos e prejuízos para a saúde das pessoas e para o meio ambiente, sem começar pela decisão de mudar os padrões de consumo. Não se trata de ideologia ou de um problema do povo japonês, ou chinês ou de qualquer outra localidade. É um problema seu, meu e de cada um de nós que habitamos este Planeta Terra. Pois a sustentabilidade é incompatível com o supérfluo.

No dia do consumidor, pense nisto e comece a agir, para que usemos apenas o necessário para o nosso dia-a-dia.

Marina vai ao Acre para votar

Foto: Thays Cabette, Marina vai ao Acre para votar (do site: http://www.minhamarina.org.br)

Marina Silva, a candidata à Presidência da República que em 2010 levou as eleições para o segundo turno, com mais de 20 milhões de votos, como sempre arrasa!

Em seu artigo, destaca a importância estratégica do meio ambiente: está no núcleo das decisões onde aspectos econômicos, sociais, ambientais e culturais são indissociáveis. É necessário pensar em todos esses termos enquanto modelo de desenvolvimento.

Diante da gravíssima crise do aquecimento global, Marina ressalta na importância de buscar o que há em comum entre diferentes correntes de interesses. E a nossa própria sobrevivência e a do nosso planeta são aquilo que melhor representam esta identidade.

Países, instituições, empresas e indivíduos dependem agora da capacidade de adaptação e da revisão de conceitos. Agora só há lugar para economias sustentáveis e tecnologias limpas. Imagino que ela se refere a um Darwinismo econômico: só sobreviverão as espécies mais adaptadas ao novo ambiente.

A população está atenta e mais exigente, quer saber se um produto causa danos ao meio ambiente. “E exige ética do mercado e do poder político”: pressiona para mudar a lógica do modelo de desenvolvimento destrutivo. “Preservar o meio ambiente não é mero romantismo”.

E as empresas já sabem que sem sustentabilidade, o lucro não será o mesmo. É necessário adotar um novo código de inserção social e ambiental (observei que marina sempre respeitou a ordem de citação “social” em primeiro lugar, não esquecendo a importância da dimensão humana do problema).

Marina ressalta o maior obstáculo às mudanças estruturais requeridas: a resistência do poder político ao desejo popular. Priorizam o crescimento rápido e fácil aos compromissos assumidos (se é que muitos dos políticos assumem verdadeiramente algum compromisso com o bem comum, penso eu). Mas os políticos mantêm a retórica em favor da preservação da natureza.

Cita o retrocesso no Congresso Nacional, no tocante ao Código Florestal Brasileiro: o suposto confronto entre meio ambiente e produção agropecuária.

E conclama a população a cobrar dos políticos uma revisão de seus conceitos, para que não tragam retrocesso à legislação ambiental.

rio de sangue.ai

Por coincidência, assisti um documentário sobre Tim Butcher, autor do livro “Rio de Sangue” (Blood River), em que a dimensão humana é confrontada com a dimensão ambiental. Aborda a desastrosa colonização do Congo pela Bélgica, entre os séculos XIX e XX. A ganância pelo marfim, borracha, minérios e outras riquezas da África levaram a uma devastação ambiental assombrosa. Mas uma entrevistada chama atenção para algo que poderia passar despercebido: enquanto muitas horas de documentários foram dedicadas à destruição do habitat e eliminação dos gorilas daquele país, muito pouco se divulgou do genocídio e sofrimentos daquele povo que, ainda hoje, é afligido pelos gravíssimos efeitos da devastação ambiental imposta pela cobiça da civilização ocidental.

Mas a importância da dimensão social não passou despercebida no artigo de Marina Silva, enquanto elemento essencial do processo decisório relativo à gestão da sustentabilidade.

Leia a íntegra do artigo de Marina Silva: Uma evolução silenciosa, Revista Veja, edição especial sustentabilidade, dez/2010