Posts com Tag ‘economia’

O Suicídio da Venezuela (The suicide of Venezuela)

Autor: Joel D. Hirst

(Joel D. Hirst é um romancista e dramaturgo, autor de “The Lieutenant of San Porfirio” e sua continuação “The Burning of San Porfirio”. Joel também escreveu, “Dreams of the Defeated – A Play in Two Acts” e seu terceiro romance “Lords of Misrule” está agendado para lançamento no verão. Você pode visitá-lo em http://www.joelhirst.com)
Esta é uma tradução livre do artigo “The Suicide of Venezuela” – por A. Valença, com a permissão do autor. Publicado no site https://joelhirst.wordpress.com/2016/04/23/the-suicide-of-venezuela/

Nunca esperei testemunhar o lento suicídio de um país, uma civilização. Suponho que ninguém espera.

Deixe eu dizer a você, não há nada de épico nisso. Nós que tivemos o privilégio de viajar, frequentemente nos deparamos, com satisfação, com as ruinas da Grécia antiga; o Parthenon iluminado com luzes azuis e verdes. A Acrópole. O Coliseu em Roma. Nós caminhamos nas ruas empoeiradas de Timbuktu e vemos as antigas mesquitas cobertas de musgo e pensamos na época em que esses lugares tinham energia e propósitos. Eles não eram monumentos tristes para turistas como nós. O tempo deu um polimento sobre o desastre.  Atualmente tudo que restou foram grandes e velhas construções que contam a história de quando as coisas eram extraordinárias, não de como elas foram paulatinamente deixadas de lado. “Não houve razões, não realmente,” dizemos uns aos outros quando desembarcamos de nossos ônibus refrigerados. “Essas coisas acontecem. Nada é para sempre; e não foi falha de ninguém. É só o jeito como o mundo é,” nossas taças plásticas de vinho nas mãos. O tempo flui e reflui, lentamente desgastando as fundações de uma civilização até que ela colapsa sob ela mesma – pelo menos é isso que dizemos para confortar a nós próprios. Não há nada a fazer sobre isso. “O país declinou – e extinguiu-se – esse é o jeito como as coisas são.”

Nós, turistas, estamos errados.

Eu sei, porque eu tenho testemunhado o suicídio de uma nação; e eu sei agora como isso acontece. A Venezuela está lentamente, e muito publicamente, morrendo; um ato que tem se prolongado por mais de quinze anos. Ver um país matar a si próprio não é alguma coisa que frequentemente aconteça. Por ignorância, alguém pode presumir que isso seria rápido e brutal e conflituoso – como o genocídio de Ruanda ou o cataclisma do vulcão Vesúvio em Pompéia. Você espera ver corpos ou mães abraçando protetivamente seus filhos; carbonizados pela força ou preservados em brilhantes registros fotográficos. Mas esses não são eventos que causem suicídios de nações. Depois de eventos como esses os países se recuperam – o povo se recupera. Eles reconstroem, eles reconciliam. Eles perdoam.

Não, suicídios de nações são processos muito mais longos – não produtos de um momento. Mas de uma má ideia, depois outra, depois uma outra, e outra, e outra, e uma mais, e as rodas que movem um país começam a emperrar, a mover-se mais lentamente, mais lentamente, a poeira e a ferrugem cobrindo suas, originalmente, reluzentes fachadas. Revolução – frieza e raiva. Ódio, como estratégia política. Leis, usadas para dividir e conquistar. Regulação, usada para punir. Eleições usadas para legitimar ditaduras. Corrupção sangrando a energia vital em gotas, enchendo os bolsos de sucessivos níveis hierárquicos de burocratas antes que eles sejam destruidos, e substituidos por outros, e outros. Isso para mim é que é impressionante sobre a Venezuela. Em minha defesa – por fraca que seja – eu tentei lutar contra o suicídio o tempo inteiro; de uma forma ou de outra. Suponho que ainda esteja lutando, meus escritos como última linha de resistência. Mas como Dagny Taggart (personagem da série “A Vingança de Atlas” – executiva de uma ferrovia / nota do tradutor) eu descobri que não há nada para lutar contra – foi tudo uma fedorenta mistura de  ressentimentos e desculpas. “Você não deveria fazer isso.” Eu disse. E de novo, “Essa lei não vai funcionar,” e “essa eleição não trará nenhuma liberdade”, enquanto também, “o que você planeja não trará prosperidade – e a única igualdade que você encontrará será a linha mínima de sobrevivência” (bread line – linha do pão, numa tradução literal: nota do tradutor). E eu não estava só; um exército de pessoas mais inteligentes do que eu alertaram publicamente em jornais, e em fóruns de discussão, e em programas de televisão, e em encontros comunitários, e em campanhas políticas, que o resultado seria um suicídio nacional coletivo. Ninguém estava ouvindo.

Então eu deixei de lado. Eu ajudei Uganda a recuperar-se depois de 25 anos de guerra civil – limpando os campos e trazendo o povo para retomar suas vidas. Eu ajudei o retorno da democracia no Mali, e a consolidar o processo de paz. Eu escrevi 3 livros. Eu me mudei, me mudei, e me mudei novamente. Eu amo minha esposa; nós tiramos férias juntos. Nós visitamos Marrakesh, e o Cairo, e Zanzibar, e Portugal, e o Grand Canyon. Nós tivemos cirurgias. Tive um filho. Nós ensinamos nosso filho a sentar, a engatinhar, a andar e a correr; a cantar e gritar e dizer palavras como “clorofila”, e “fotossíntese”. A dizer os nomes dos planetas um por um, a escrever o seu nome.

Por todo esse tempo o agonizante e lento suicídio continuou.

E sempre, logo cedo no café eu abro o meu computador e documento, nem que seja só para mim mesmo, o próximo ato no longo e trágico suicídio da Venezuela. Eu converso com meus amigos, que continuam a tentar explicar ao idiota o porquê da miséria deles ser um resultado direto de uma má ideia construída sobre o último grande edifício da estupidez. Bons homens e mulheres que estão presas em um debate de duas décadas, do qual não há escapatória. Eu faço preces silenciosas para o próximo de uma longa fila de prisioneiros políticos. Eu olho para fotografias de lugares que eu conhecia – praias onde eu fui e restaurantes que eu frequentava; cobertos de lixo, ou tapumados e fedorentos. Eu assisto vídeos de saques noturnos de supermercados, que são fortuitos o bastante para conseguir o suprimento de alguma coisa.

Hoje à noite não há luzes. Como a New York City de “Atlas Shrugged”, de Ayn Rand, os olhos do país foram arrancados para alimentar os mendigos famintos em edifícios, que já foram apartamentos de luxo, abandonados e ocupados. Eles culpam o clima – o governo faz isso – como os xamãs tribais de antigamente, que fizeram sacrifícios aos deuses na esperança de uma intervenção. Também não há comida; eles dizem às pessoas para esperar, para criar galinhas nos terraços de seus outrora glamourosos apartamentos. Não há água – e eles dão lições na TV estatal de como lavar-se com um copo de água. O dinheiro é inútil; as pessoas pagam agora com batatas, se eles podem encontrá-las. Médicos operam utilizando a luz de seus smartphones; quando há energia suficiente para carregá-los. Sem anestesia, é claro – ou antibióticos, como nos dias anteriores ao advento da medicina moderna. O serviço de telefonia foi cortado – em breve a internet também o será e uma escuridão total permeará tudo sobre uma terra selvagem.

A maratona de destruição está quase terminada; a energia vital da nação está quase no fim. Não, não há nada de heróico ou épico aqui; ruínas no processo são eventos tristes – desprovidos do manto reconfortante do tempo, que empresta intriga e inevitabilidade. E ver isso tem sido, para mim, uma das grandes tragédias da vida.

Anúncios

Entrevista com Marina Person (atriz, cineasta e apresentadora brasileira), uma consumidora consciente, postada pelo Instituto Akatu no Youtube. Vamos aprender um pouquinho com ela? Assista ao vídeo:

Mal os habitantes da nossa nave Terra principiaram a internalização do grave terremoto seguido de tsunami no Japão em 2011, que ceifou milhares de vidas e causou grandiosos prejuízos econômicos ao país, de difícil mensuração e que certamente produzirá importante impacto global, começaram os protestos contra o uso de energia nuclear, notadamente na Europa, continente que concentra a maioria das usinas nucleares de todo o mundo. Emerge mais uma vez o temor do risco provocado por este tipo de energia, ainda que usada para fins pacíficos, qual seja, a produção de energia elétrica.

Discutia com um colega sobre o assunto e este ponderou que a energia nuclear era uma boa energia. Perguntei se ele ignorava os riscos desse tipo de energia: respondeu que não, mas que ela era importante para todos nós. Perguntei então se menos usinas nucleares representariam menos riscos para a humanidade: respondeu que sim. Em seguida, emendei: se reduzíssemos o nosso consumo, não seriam necessárias menos usinas nucleares?

O meu colega concordou que sim, embora reclamando que não precisaríamos voltar à idade da pedra. Creio que não, respondi, pois não precisamos necessariamente abdicar de todo o conforto que nós conquistamos com o processo civilizatório, especialmente aqueles realmente essenciais. Porém, insatisfeito, apontei para o elevador que esperávamos há algum tempo no 11º andar, gastando parte do nosso precioso bem que é o tempo. E ele próprio imediatamente lembrou, sem que eu usasse qualquer palavra, do absurdo que era pessoas jovens e saudáveis tomarem o elevador para subirem ou descerem do segundo ou do primeiro andar ao térreo e vice-versa, como observávamos corriqueiramente naquele edifício no qual trabalhamos, provocando atrasos no sobe e desce diário de toda a coletividade, tamanho o abuso das chamadas, retenções e do entra e sai dos elevadores. Freqüentemente havia quem tomasse o elevador no segundo andar, subisse ao 11º andar, para então se dirigir ao térreo.

Eis então a questão: não precisamos estar de acordo sobre os benefícios ou malefícios da energia nuclear ou de qualquer outra forma de energia, tampouco precisamos ter pensamentos iguais sobre padrões de consumo e desenvolvimento econômico.

Porém, o consumo irracional, exagerado e o desperdício de recursos é desnecessário e fomenta a destruição de recursos naturais, o que direta ou indiretamente induz o aumento do risco à saúde pública e ao meio ambiente.

Explica-se: o consumo, especialmente o desnecessário, pressuposto do crescimento econômico continuado, conduz ao aumento da destruição de áreas naturais, que serão destinadas à produção de mais energia, e também ao uso de energias perigosas, nocivas ao meio ambiente, potencialmente causadoras de mudanças climáticas ou que ao menos exigem a destruição ou modificações radicais do ambiente natural. São exemplos a energia nuclear, com o temor permanente de vazamentos radioativos; o uso e descarte irresponsável de baterias que contaminam o meio ambiente com metais pesados; ou a energia hidroelétrica que requer a inundação de milhares de hectares de nossas florestas, com sérios impactos ambientais e muitas vezes também sociais.

Precisamos de energia? Certamente que sim. Mas não precisamos de qualquer forma de desperdício.

Ainda que não cheguemos a um consenso sobre uma energia ser boa ou ruim, devemos convir que consumismo e desperdício induzem degradação ambiental, provocam direta ou indiretamente o aumento dos riscos à saúde pública e ao meio ambiente e podem mesmo contribuir para as mudanças climáticas, aumentando os riscos de desastres naturais ligados ao aquecimento global. Como falado em tópico anterior, tudo e todos estamos ligados neste planeta.

Logo, se queremos fazer algo pelo nosso bem-estar e sobrevivência nesta Terra, saibamos que não é possível escolher responsavelmente que tipo de energia teremos, se boa ou má para nós ou para o meio ambiente, enquanto não tivermos consciência de que nós somos os responsáveis, direta ou indiretamente, quer tenhamos consciência disto ou não, pelas decisões dos governos e empresas no tocante à implantação de usinas nucleares, térmicas ou hidroelétricas, cada uma causadora de diferentes tipos de riscos e problemas, por maior que sejam o conforto, ainda que aparente, que elas nos proporcionem.

Não é possível reduzir o número de usinas nucleares ou qualquer outro tipo de usina, para diminuir os riscos e prejuízos para a saúde das pessoas e para o meio ambiente, sem começar pela decisão de mudar os padrões de consumo. Não se trata de ideologia ou de um problema do povo japonês, ou chinês ou de qualquer outra localidade. É um problema seu, meu e de cada um de nós que habitamos este Planeta Terra. Pois a sustentabilidade é incompatível com o supérfluo.

No dia do consumidor, pense nisto e comece a agir, para que usemos apenas o necessário para o nosso dia-a-dia.

Aula caracterizada por uma abordagem básica sobre o conceito de sustentabilidade (aula 29).

Duração: 14:57min

Fala sobre:

– Sustentabilidade;
– Economia;
– Conflito pela posse de terra, enquanto problema de sustentabilidade, pois o acesso à terra é também o acesso ao abrigo e sustento necessário para todos. Os recursos existem, o problema é a falta de distribuição isonômica;
– A biodiversidade da Amazônia;
– O lixo, o desperdício.

Assista ao vídeo:

Edição Especial sobre Sustentabilidade da Revista Veja

Capa da edição especial Sustentabilidade da revista Veja

A edição especial sobre sustentabilidade da Revista Veja, de dezembro de 2010, traz uma matéria que começa com a seguinte pergunta:

O Brasil pode crescer em ritmo chinês sem agredir o ambiente?

E a resposta, como poderiam esperar os mais céticos com a revista Veja, é:

SIM!

Vejamos os argumentos da Veja (e depois, uma oposição aos mesmos):

1) Agronegócio: o Brasil é campeão em produtividade e exportação. Área plantada e produção apresentam crescimento histórico. Ainda há cerca de 10% de terras ociosas para pecuária. No ritmo de crescimento do agronegócio, ou aumenta a produtividade ou haverá invasão da Floresta Amazônica.

O país dispõe de tecnologia para tal, acontece que é mais barato desmatar.

2) Energia: cerca de 74% da nossa energia é produzida por hidrelétricas. Nos próximos 1o anos a demanda deve crescer mais de 50%. Deve aumentar a participação dos combustíveis fósseis na matriz energética.

Nos próximos seis anos, seriam necessários investimentos de R$2 bilhões de reais, parte disto deveria ser investido em energia eólica. Do contrário, será necessário maior uso de energia térmica e nuclear.

3) Amazônia: estaria próxima do seu limite. Um aumento de 2% no desmatamento implicaria em sua transformação em savana, um ponto sem retorno. Um desastre ambiental, péssimo para a agricultura e produção de energia (faltou dizer que será péssimo para as pessoas e seres vivos em geral).

Não há qualquer registro de país que tenha sido capaz de conciliar preservação ambiental e expansão agrícola.

A solução seria adotar o novo Código Florestal, “mais realista que o anterior”. Preconiza as práticas de indenização a proprietários de terras para preservação da floresta, como na Costa Rica.

4) Saneamento: menos de 60% dos domicílios brasileiros têm saneamento. Mais de 8 bilhões de litros de esgoto são despejados nas nossas fontes de água. Ressalta que a poluição cresce com o aumento da industrialização e consumo. Menciona a China, com 50% de rios insalubres e possuidora de 16 cidades dentre as 20 mais poluídas do mundo.

Seria necessário investir 55 bilhões de reais por ano (isto mesmo! R$55bi/ano) nos próximos 10 anos.

5) Transportes: as rodovias e o diesel respondem por 2/3 dos transportes de carga. Nas cidades o modelo de transporte é o ônibus e automóvel particular (também combustíveis fósseis). Com maior produção, haverá mais transporte. Em péssimas estradas. Nas cidades sem metrô o trânsito tende a piorar.

Para gargalos da infraestrutura viária seriam necessários R$ 22 bilhões, especialmente para ferrovias em áreas produtoras.

6) Portos: o Brasil, um dos maiores exportadores de alimentos, tem infraestrutura portuária pífia e transporte 4x mais lento que portos similares. Isto gera grandes prejuízos e desperdício de alimentos. Ao ritmo de crescimento de exportações atual, seria necessário duplicar os portos em 8 anos.

A solução seria triplicar (isso mesmo, TRIPLICAR) os investimentos nesta infraestrutura.

7) Demografia: a fecundidade decresceu, e hoje é de 1,8 filhos por mulher (ao menos uma notícia alentadora). Crescimento econômico implica em aumento de emprego, renda e, portanto de consumo. Entretanto, para o ambiente, mais importante que o tamanho da população é o padrão de consumo (observe que o impacto ambiental das populações da América do Norte e Europa são significativamente maiores que as demais populações no mundo).

Seriam necessárias inovações na indústria e agropecuária para aumentar produtividade sem causar danos ambientais.

Uma leitura atenta dos argumentos, apresentados na própria matéria, deveria levar a uma conclusão oposta à resposta SIM. Não obstante serem plausíveis as hipóteses de soluções tecnológicas. Mas há muito mais que isso a considerar.

Sendo mais otimista e menos realista, o leitor concluiria por uma grande interrogação. Mas podemos “engrossar o caldo”, com alguns simples questionamentos:

1) Agronegócio e Amazônia:

– Uma sociedade apática vai cobrar as mudanças?

– O que faria os agricultores adotarem tecnologias mais caras, quando é mais barato desmatar? Novas leis? Legislação feita por nossos parlamentares corruptos, demagógicos e fisiológicos? O Congresso atual aprovaria o pagamento a proprietários de terras para preservarem florestas? Um valor hipoteticamente aprovado seria suficiente para competir com os lucros da atividade criminosa?

– Pouquíssimos fiscais seriam suficientes para zelar pelo cumprimento das leis em um território gigante? Ainda mais com a facilidade de corrupção fiscal, historicamente presente em nossas terras tupiniquins?

– E o orçamento para tudo isso? Lembremos que até a educação teve cortes orçamentários para 2011!

2) Energia, Saneamento, Transportes e Portos:

– De onde virão os bilhões e bilhões necessários para este magnífico Novo Milagre Econômico?

– Ainda que haja recursos – digamos que de Parcerias Público Privadas, como esperar tais decisões de investimento em infraestrutura produtiva, num país que optou pelos seguintes investimentos:

a) Copa do Mundo de 2014 (“investimentos” estimados em R$ 5 bi), só que estimativas realista são muito superiores);

b) Olimpíadas de 2016 (Rio se prepara para “investir” 25,9 Bi); e

c) Trem Bala? Trem Bala e Crescimento Sustentável?

E olhem que estamos comprometidos com tais investimentos voluptuários “até o pescoço” nos próximos anos. Em que medida estes investimentos ajudam em sustentabilidade ambiental ou em que se prestam à solução dos problemas na infraestrutura ferroviária, portuária, de transporte rodoviário e urbano, do saneamento, além da geração de energia limpa?

Charge de J.Bosco, Trem bala Rio - São Paulo

Charge de J.Bosco, Trem bala Rio - São Paulo, do link http://jboscocartuns.blogspot.com/

No caso do trem bala, estima-se:

– O gasto de R$ 33 bi com o trem bala seria suficiente para construir 300km de metrô, o que é cinco vezes a malha de São Paulo;

Este mesmo gasto seria suficiente para construir 11 mil km de ferrovias comuns (permitiria trocar grande parte do transporte em péssimas rodovias e queimando diesel por transporte em ferrovias novinhas, reduzindo, ainda, o grande desperdício de alimentos perdidos no transporte);

– Novamente, as previsões são muito otimistas. Outros países gastaram muito mais que o previsto no trem bala. E nossa topografia é desvantajosa em relação a estes, o que tende a aumentar ainda mais os gastos reais. Há quem acredite que o gasto com o trem bala vá dobrar. Isto significará maiores tarifas e/ou maiores incentivos fiscais, abrindo mão de mais arrecadação de impostos;

– Ainda, pode-se argumentar que este investimento é privado. Mas não esqueçamos que o Estado abdicará de anos de arrecadação de impostos, o que equivale a gastos. Sem falar que este serviço, com benefício fiscal, concorrerá com outros serviços de transporte, como ônibus e ponte aérea, com impacto negativo na arrecadação oriundas destas outras fontes;

– Investir em saneamento? Os fatos estão aí: milhões de pessoas sem saneamento, milhares de mortes, especialmente mortalidade infantil, por doenças ligadas à falta de saneamento. Qual foi a opção política? Copa, Olimpíadas e Trem Bala! O povo e a natureza podem esperar…

Além do mais, todos os anos milhões são gastos em saneamento, grande parte “enterrados” ou que escoaram pelos ralos da corrupção. E cadê a capacidade de realização e a efetividade dos gastos, nesta nossa cultura de desvios de recursos públicos, de ineficiência e de ausência de práticas de cidadania, na cobrança de adequada destinação dos recursos públicos?

3) Demografia e hábitos de consumo:

– Embora o crescimento das taxas de fecundidade estejam em declínio, eles ainda são positivos. Ou seja, nossa população ainda está crescendo. Quanto ao desmatamento decorrente da expansão das cidades onde vivemos, e do aumento do consumo, que tal apresentar projeções baseadas no comportamento recente, para saber se aumentará 2%, tornando a Amazônia uma Savana?;

– Nosso PIB está crescendo. Logo, estamos enriquecendo. Se seguirmos o mesmo caminho que os nossos irmãos ocidentais da America do Norte e Europa seguiram historicamente, e continuam seguindo, seremos cada vez mais insustentáveis.

– E nada indica que os debates sobre sustentabilidade e preservação ambiental vão conquistar o gosto da preferência popular. Basta ver os assuntos euforicamente disputados nas redes sociais!

Certamente ainda seriam pertinentes muitos outros argumentos, mas estes parecem bastar para ressalvar a leitura da matéria da Veja:

Os dados e argumentos apresentados são bons e verossímeis. Mas as conclusões… estas não são condizentes com a própria argumentação apresentada na matéria. Salvo se o leitor estiver movido por uma grande dose de otimismo e credulidade quanto ao bom comportamento da humanidade.

O que mais chama a atenção é a afirmação de que uma das chaves para a requerida sustentabilidade seriam:

“Inovação tecnológica só existe se há aumento do consumo, aumento da produção e da riqueza de um país.”

Segundo a matéria, seria um pensamento afim da teoria da curva ambiental de Kuznets (Prêmio Nobel de 1971). Em resumo: nas fases iniciais da industrialização ocorre um aumento da poluição e dos impactos ambientais, que depois se estabilizam e, por fim, decrescem, com o aumento do nível de renda e educação da população. Seria um padrão de “U” invertido.

A suposta adequação da teoria de Kuznets à idéia da sustentabilidade do crescimento chinês no Brasil (ou em qualquer outro país), em harmonia com a preservação ambiental, não se sustenta, devido a simples constatações, presentes na própria edição especial da Veja:

“A Europa detinha 7% das florestas do planeta e hoje conta com mísero 0,1%. Nos Estados Unidos, quase não há mais terras disponíveis para produzir alimentos.”

“Com as pegadas ecológicas da Oceania (5,4 gha), e dos Estados Unidos e Canadá (7,9 gha) precisaríamos parar em 2,5 bilhões e 1,7 bilhão de habitantes, respectivamente.”

(detalhe, hoje já temos 7 bihões de habitantes em nosso planeta, logo, estes países, que são os mais ricos e mais educados em todo o mundo, são os mais insustentáveis de todos! E quando os demais enriquecerem e forem educados, já não terão mais qualquer floresta ou ambiente natural.)

Ou seja, os focos do problema são dois, especialmente:

1) A quantidade de pessoas no planeta; e

2) O modelo de produção e consumo baseado no pressuposto do crescimento continuado e “laissez faire

(nos países ricos, é mais comum as pessoas ingerirem calorias além do necessário, para depois queimarem o excesso na academia ou pagando uma lipoaspiração. Ou consumirem quaisquer outras coisas desnecessárias. Já os pobres…).

A propósito, veja os links abaixo sobre um milionário australiano que ofereceu um prêmio de $1m para alguém que afronte o crescimento populacional global:

Bilionário oferece R$ 1,6 milhão para quem salvar mundo do crescimento

Dick Smith Population

Mas nem tudo está perdido. E espero que decidamos por um caminho que não leve ao nosso fim. De qualquer modo, a natureza deve sobreviver à espécie humana, embora não necessariamente como já foi um dia.

Talvez, depois de muito sofrimento de milhões de pessoas e de grandes catástrofes ambientais, cada vez mais inesperadas e surpreendentes, a população mundial – especialmente a que deveria ter mais discernimento – acorde e reveja os seus conceitos sobre o modelo de produção baseado em contínuo crescimento econômico, em consumo desenfreado, no desprezo pelas outras espécies de seres vivos e na exploração insaciável dos recursos naturais do nosso planeta.

São estas as conclusões que posso chegar com a leitura que faço do mundo. Pessimista? Creio que não, do contrário não estaria aqui discutindo o assunto, pois seria puro sadismo. Mas alguém poderia me mostrar uma leitura diferente?

De qualquer modo, façamos a nossa parte e tenhamos fé!

A matéria da Revista Veja é assinada por Gabriela Carelli. Os comentários são do autor do blog.

Sobre uma edição 2009 da Revista Veja, também sobre sustentabilidade, leia:

Discurso da Sustentabilidade

Que tal experimentar um dia sem carro, apenas caminhando? Você vai se sentir muito bem!

Em Recife/PE tornou-se um suplício as idas e vindas do trabalho. Quer você esteja em um ônibus ou se deslocando de carro, você vai gastar horas e horas do seu precioso tempo no trânsito lento da cidade. E como o tempo é o nosso bem mais precioso, que passado, não volta mais, cabe buscarmos alternativas para melhor utilizá-lo.

Em poucos anos, a quantidade de veículos aumentou enormemente em nossos centros urbanos. Uma matéria publicada no Diário de Pernambuco (de Carolina Khodr), em 05/12/2010, proporciona interessantes reflexões sobre o assunto. “Cidade grande, perigo idem”: duplica o risco de infarto quanto alguém está preso em um engarrafamento, pois respira-se mais poluentes, além do estresse. São comentários do pesquisador da USP, Paulo Saldiva, médico e estudioso de poluição ambiental. Quanto maior a poluição nas cidades, menor a expectativa de vida. Aumentam as mortes por câncer de pulmão, doenças respiratórias e infartos.

Note-se que o transporte coletivo nunca foi prioridade na maioria das cidades do Brasil. Resultado: desperdício de tempo e de combustível, prejuízo para a economia, poluição do ar e sonora, estresse e menos tempo para fazer o que realmente importa para cada um de nós: estar com a família, exercitar-se, trabalhar, dedicar-se ao lazer, etc.

Um trecho que normalmente seria percorrido em 10 minutos, hoje reclama de nosso tempo 20, 30, 40 minutos ou mais, se você não morar muito longe do trabalho. Parece pouco, mas não é. Imagine um acréscimo de 10 minutos em cada trecho de deslocamento. Ida e volta são mais 20 minutos diários, quase 2 horas a mais gastas por semana, cerca de 7 horas despendidas a mais por mês e quase 4 dias por ano no interior de um veículo. Preso em um carro ou em um ônibus, pouco podemos fazer além de ouvir música, um audio livro, além de sofrer o eventual stress com o trânsito, o qual requer total atenção para evitar acidentes, se você estiver dirigindo. É possível usar melhor esse tempo? Creio que sim.

Moro a cerca de 4km do trabalho, de carro. Hoje gasto entre 20 e 40 minutos a cada ida ou volta. Saindo antes das 7:00h e voltando antes das 17:00h, o tempo tende a encurtar. Um colega gasta 15 minutos de bicicleta, buscando vias menos utilizadas pelos veículos. Mas temo essa alternativa, pois os motoristas não respeitam ciclistas nem pedestres, e quase não temos ciclovias, ao contrário de alguns países que valorizam muito mais o pedestre e a bicicleta. Decidi então tentar um uso mais nobre para o meu tempo. Por que não uma caminhada de volta do trabalho?

Selva de pedra
(Visão da travessia de pedestres na Av. Conde da Boa Vista, no centro de Recife: por incrível que pareça, ainda são minoria os motoristas que param para os pedestres atravessarem na faixa. E os motoqueiros, menos ainda. Clique na foto para conhecer minha galeria de fotos no Flickr)

No Google Maps, descobri que a caminhada para casa era de 3,2km, estimada em 35 minutos. Resolvi tentar. Num dia, fui de carona para o trabalho. Usava jeans, camisa pólo e tênis confortável. Esperava tão-somente trocar o tempo no interior de um veículo por uma atividade física aeróbica, gastando quase o mesmo tempo. De quebra, contribuiria para reduzir o número de veículos em circulação e, também, para reduzir a emissão de CO2 e outros gases nocivos ao ambiente, causadores do efeito estufa. Porém, ganhei mais que isso.

Mal deixei o prédio em que trabalho, caminhando por uma avenida na qual não passaria com o meu carro, encontrei um amigo que há tempos não tinha o prazer de ver. Foram 5 minutos de animada conversa. Me despedi e continuei a jornada. Observei cenas que usualmente não vemos quando no interior de um veículo: a paisagem é diferente, estamos mais perto das pessoas e de tantas coisas interessantes que há nas ruas, vemos os prédios e suas fachadas de ângulos diferentes, e temos uma visão mais privilegiada do céu.

Mas não é só isso. Logo percebi que me entreguei a divagações que não são permitidas quando estamos dirigindo, pois o trânsito reclama maior atenção e esta, por sua vez, gera maior tensão. Caminhando, redescobri o hábito de viajar em pensamento, refletindo sobre o significado de cada cena com a qual me defrontava.

No papel de pedestre, logo percebi o quanto nós motoristas podemos ser egoístas e perigosos, assim como as nossas cidades deixaram de ser das pessoas para serem dos carros.

Cada travessia de avenida representou um verdadeiro desafio, mesmo na faixa de pedestres, pois quase sempre haverá passagem de veículos vindos de um determinado sentido, quando o sinal estiver fechado para um outro. E pernas para que te quero. Isso porque não sou idoso, nem portador de necessidades especiais. Do contrário, seria quase impossível tal deslocamento. Mas este torna-se apenas um inconveniente quando confrontado com maiores benefícios.

No caminho, passei por diversas padarias onde não costumaria parar, pelas dificuldades de estacionar. Sendo um final de tarde, e como estava caminhando, escolhi uma delas para comprar o pão francês nosso de cada dia, diferente daquele encontrado na padaria da esquina de casa. Não tardou e eu estava de volta às ruas, no caminho de casa. A cada passo, as cenas em volta se tornavam mais familiares.

Não demorou muito, cheguei à minha rua e ao meu prédio. Um pouco ofegante, bastante suado. O porteiro logo notou e perguntou de onde eu vinha. Achou legal a iniciativa e comentou que aquilo me faria muito bem. Subi, fiz alguns alongamentos, tomei um banho gostoso e logo estava pronto para continuar a minha rotina diária.

Nas semanas seguintes, repeti a experiência, esperando torná-la um hábito, com as vantagens dos benefícios que pode nos trazer. É bom lembrar que o estilo de vida influencia muito a nossa saúde. Repetindo os trajetos, escolhi melhores locais para atravessar ruas e avenidas, além de calçadas que permitem mais fácil deslocamento.

Alguns colegas de trabalho perguntaram se não era inseguro, temendo assaltos. Comentei que não via qualquer diferença de qualquer outra curta caminhada que tenhamos de fazer, perto de casa. É prudente não ostentar objetos de valor. Além disso, se não ocuparmos nossas ruas, aí sim, estas serão ocupadas por quem não queremos. Enfim, creio ser esta uma boa alternativa para muitas pessoas: saudável e ecologicamente benéfica. Quem puder, experimente passar um dia sem carro.

Espero apenas que os nossos governantes atentem para os problemas do trânsito urbano, buscando solução para o mesmo e, sobretudo, que garantam maior segurança aos pedestres e ciclistas. E que nós, enquanto motoristas, vez por outra nos coloquemos na pele dos pedestres. Assim respeitaremos mais aqueles que se deslocam pelas nossas ruas e avenidas.