Posts com Tag ‘catástrofe’

O novo Código Florestal e os desastres ambientais: o que há em comum entre a monocultura, a cana-de-açúcar, a criação de bovinos, a pobreza, políticos corruptos, a destruição da mata ciliar e as enchentes, enxurradas e inundações?

Publicado: 20/05/2011 em Cidadania, Ecologia, Meio Ambiente, Saúde, Sustentabilidade
Tags:, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

O caderno Ciência e Meio Ambiente do Jornal do Commercio, domingo, 08 de maio de 2001, folha 5, trouxe a seguinte matéria:

“Mata ciliar é solução para as inundações”.

Fiquei muito animado com a notícia! No momento, o novo Código Florestal é discutido no Congresso Nacional, promovendo a tentativa de reduzir as áreas de preservação de florestas em margens de rios (mata ciliar), por grupos cujos principais interesses são egoístas e que ignoram as necessidades e sofrimentos coletivos, além do imperativo da preservação ambiental.

Ao mesmo tempo, vemos se multiplicarem os desastres ambientais, a exemplo das enchentes, enxurradas, inundações e deslizamentos de terra, em 2010 e 2011, atingindo Pernambuco, Alagoas, Região Serrana do Rio de Janeiro e outras regiões do Brasil, como as regiões Sul, Centro-Oeste e Norte, com mortes e grande número de pessoas desalojadas e desabrigadas. Muitas dessas pessoas estão desabrigadas desde desastres ocorridos anteriormente ao último registrado. E, não bastasse a tragédia humanitária e as perdas de vidas, os brasileiros em geral, toda a nação, têm de arcar com o incalculável custo de recuperação e reconstrução daquilo que foi destruído. É bom lembrar que as populações mais pobres são aquelas que geralmente sofrem as principais conseqüências dos desastres, aqui e em todo o mundo.

Os artífices do novo Código Florestal argumentam que não há “provas científicas” que justifiquem a manutenção da mata ciliar!

Me poupem, ilustres parlamentares!

Quando se trata de segurança e sobrevivência da humanidade, prevalece o princípio da segurança e torna-se desnecessário provar o óbvio, o ululante. Na dúvida, preserve!

Mas, ainda assim, o cientista ambiental André Alcântara, sob a orientação do pesquisador Ricardo Braga, com apoio da Sociedade Nordestina de Ecologia e com financiamento pelo Fundo Nacional do Meio Ambiente, provou para os céticos, inconseqüentes e egoístas que a mata ciliar precisa ser protegida:

“a vazão da água é bem maior em áreas cultivadas que em áreas florestadas”.

Mas o que isso significa? A tabela a seguir ilustra os resultados e alcance do estudo:

Local

Vazão

(l/s por km2)

Oxigênio dissolvido na água

Necessidade de tratamento da água para consumo

Estação 01 – Próximo da nascente: rio margeado por floresta Atlântica

24,7

Acima do necessário para a água ser considerada própria para consumo Necessita apenas cloração
Estação 02 – Rio cercado por agricultura de subsistência e mata em regeneração

62,6

Próximo do mínimo necessário para a água ser considerada própria para consumo Necessita de tratamento completo
Estação 03 – Margens ocupadas por pasto e canavial

177,6

Muito abaixo do mínimo necessário para a água ser considerada própria para consumo Necessita de tratamento completo

Ou seja:

“em áreas cultivadas, a vazão do rio é sete vezes maior que nas áreas florestadas”, pois onde havia pasto e cana a vazão chegou a 177,6 litros.

Traduzindo, em termos práticos, acrescento aqui uma pequena contribuição ao debate:

Quais são os municípios pernambucanos (e provavelmente também alagoanos) mais atingidos pelas enchentes em 2010 e 2011? Quais as suas principais formas de exploração e uso do solo, conforme dados de 2010?

Município

Situação de desastre ambiental em 2010 e 2011

Densidade demográfica (hab/km2)

Taxa de urbanização (%)

Renda per capita

Taxa de analfa-betismo

– 15 anos e mais (%)

Principal cultura -agrícola e pecuária

(maior valor da produção em R$ e maior efetivo dos rebanhos, respectivamente)

Água Preta Calamidade Pública 60,84 56,61 65,5 39,60 Cana-de-açúcar e bovinos
Barreiros Calamidade Pública 174,49 83,42 93,22 30,76 Cana-de-açúcar e bovinos
Catende Calamidade Pública 182,82 76,33 104,19 33,94 Cana-de-açúcar e bovinos
Cortês Calamidade Pública 122,94 63,45 74,18 36,09 Cana-de-açúcar e bovinos
Jaqueira Calamidade Pública 129,22 61,57 65,03 39,94 Cana-de-açúcar e bovinos
Maraial Calamidade Pública 62,46 70,03 60,57 42,77 Cana-de-açúcar e bovinos
Palmares Calamidade Pública 176,71 78,76 134,47 27,78 Cana-de-açúcar e bovinos
Primavera Calamidade Pública 122,24 63,84 84,88 32,67 Cana-de-açúcar e bovinos
Xexéu Calamidade Pública 127,18 65,04 64,99 43,94 Cana-de-açúcar e bovinos
Quer mais? Veja a tabela completa, ao final, incluindo municípios em situação de emergência.Dados: http://www.bde.pe.gov.br/ArquivosPerfilMunicipal

São justamente aqueles municípios que têm os tipos de agricultura e pecuária apontados como tendo maior vazão em decorrência das chuvas. Não bastasse a pesquisa sobre vazão menor em áreas com preservação de matas ciliares, realizada em Pernambuco, acrescentam-se os dados acima, que são óbvios, ululantes!

Erosão do solo pelas águas em plantio de cana-de-açúcar

Erosão do solo pelas águas em plantio de cana-de-açúcar

O que possuem em comum os municípios de Pernambuco, em estado de calamidade pública, em decorrência das enchentes em 2010 e 2011? (pode incluir também aqueles em situação de emergência)

a)      Cana-de-açúcar como principal cultura agrícola;

b)      Criação de bovinos em pastagens como principal atividade agropecuária;

c)       Geralmente possuem elevadas densidades populacionais (é provável que este seja um dos principais componentes dos graves desastres ambientais!);

d)      Geralmente possuem elevado percentual de urbanização;

e)      Geralmente possuem baixa renda “per capita”;

f)       Geralmente possuem elevados percentuais de analfabetismo entre jovens e adultos, ao qual podemos somar o analfabetismo funcional.

Todos esses fatores estão relacionados entre si e também com baixos IDH (índice de desenvolvimento humano), péssimos indicadores de saúde, elevado desemprego, grande violência e outras mazelas.

Neste contexto, é difícil esperar o exercício efetivo da cidadania. Ainda mais, esperar que essas pessoas pensem e lutem pelo meio ambiente, se não percebem que as suas condições de vida estão associadas a todos esses fatores. Suas crianças e jovens mal podem freqüentar as escolas, com estradas e pontes esburacadas, enlameadas ou interrompidas pelas sucessivas enchentes, além do ainda existente trabalho infantil.

É o alto preço cobrado devido à opção histórica pela monocultura, ocupação e exploração desordenada do solo e abandono educacional das pessoas!

Certamente que a cultura da cana-de-açúcar e a pecuária têm sua importâncias para as pessoas. E certamente que há municípios com cana-de-açúcar e bovinos como principais atividades agropecuárias e que não estão em estado de calamidade pública, e vice-versa. Mas as realidades de Pernambuco e Alagoas são sintomáticas.

Estudos “científicos” de associação de causa e efeito entre múltiplos fatores, tais como fatores ambientais, sociais, econômicos e culturais não são fáceis, tampouco estarão isentos de críticas quanto aos seus alcances e validades. Porém, deixo esta proposta para os pesquisadores em geral, para que realizem vários estudos científicos envolvendo essas temáticas, com grandes promessas de recompensa para a humanidade.

Finalmente, do que foi exposto até então, algumas soluções emergem como óbvias:

– É necessário preservar, recuperar e ampliar a mata ciliar e as florestas em geral. Precisamos de um NOVO Código Florestal que preserve e aumente as florestas, não precisamos de um pernicioso código florestal que proclame a sua dizimação e exploração irracional. Mas, acima de tudo, precisamos desenvolver uma consciência coletiva de respeito ao meio ambiente e à coletividade, que vá além do dever ser das leis, que faça acontecer. Afinal, de “boas” leis o Brasil está cheio. Faltam os bons costumes;

– É necessário educar as pessoas, libertando-as dos grilhões que as prendem à exploração política e à miséria. Educação e cidadania têm de sair dos discursos vazios e mentirosos de candidatos irresponsáveis e despreparados, tornando-se resultados concretos por intermédio de administradores públicos profissionais, competentes e comprometidos com a coletividade;

– É necessário diversificar as culturas agrícolas e pecuárias, explorando-as de forma respeitosa à preservação do meio ambiente e recursos naturais, assim como adequada às necessidades das pessoas, de suas famílias e de suas coletividades;

– É necessário fixar os homens e suas famílias no campo, provendo terra e condições adequadas para a produção agropecuária sustentável. Enquanto consumidores, deveríamos assumir compromisso de compra junto aos agricultores familiares, que teriam a certeza de continuidade de suas atividades, permanecendo no campo. Enquanto governo, aplica-se o mesmo. Aliás, isto já é feito pelo Programa de Aquisição de Alimentos da Agricultura Familiar (PAA), que em Pernambuco, atualmente, adquire da agricultura familiar e distribui com as famílias atingidas pelos desastres;

– É necessário reduzir a urbanização e os grandes adensamentos populacionais. Devemos falar em interiorização das populações, mas também creio que devemos perder o medo de falar em controle de natalidade e sobre o controle do crescimento populacional!

Pois aí estão as causas dos desastres naturais, da pobreza e dos principais flagelos da humanidade, incluindo a fome, a falta de abrigo salubre, as doenças, a violência e a miséria. Não é assim que queremos viver a humanidade!

(mais…)

Anúncios

Mal os habitantes da nossa nave Terra principiaram a internalização do grave terremoto seguido de tsunami no Japão em 2011, que ceifou milhares de vidas e causou grandiosos prejuízos econômicos ao país, de difícil mensuração e que certamente produzirá importante impacto global, começaram os protestos contra o uso de energia nuclear, notadamente na Europa, continente que concentra a maioria das usinas nucleares de todo o mundo. Emerge mais uma vez o temor do risco provocado por este tipo de energia, ainda que usada para fins pacíficos, qual seja, a produção de energia elétrica.

Discutia com um colega sobre o assunto e este ponderou que a energia nuclear era uma boa energia. Perguntei se ele ignorava os riscos desse tipo de energia: respondeu que não, mas que ela era importante para todos nós. Perguntei então se menos usinas nucleares representariam menos riscos para a humanidade: respondeu que sim. Em seguida, emendei: se reduzíssemos o nosso consumo, não seriam necessárias menos usinas nucleares?

O meu colega concordou que sim, embora reclamando que não precisaríamos voltar à idade da pedra. Creio que não, respondi, pois não precisamos necessariamente abdicar de todo o conforto que nós conquistamos com o processo civilizatório, especialmente aqueles realmente essenciais. Porém, insatisfeito, apontei para o elevador que esperávamos há algum tempo no 11º andar, gastando parte do nosso precioso bem que é o tempo. E ele próprio imediatamente lembrou, sem que eu usasse qualquer palavra, do absurdo que era pessoas jovens e saudáveis tomarem o elevador para subirem ou descerem do segundo ou do primeiro andar ao térreo e vice-versa, como observávamos corriqueiramente naquele edifício no qual trabalhamos, provocando atrasos no sobe e desce diário de toda a coletividade, tamanho o abuso das chamadas, retenções e do entra e sai dos elevadores. Freqüentemente havia quem tomasse o elevador no segundo andar, subisse ao 11º andar, para então se dirigir ao térreo.

Eis então a questão: não precisamos estar de acordo sobre os benefícios ou malefícios da energia nuclear ou de qualquer outra forma de energia, tampouco precisamos ter pensamentos iguais sobre padrões de consumo e desenvolvimento econômico.

Porém, o consumo irracional, exagerado e o desperdício de recursos é desnecessário e fomenta a destruição de recursos naturais, o que direta ou indiretamente induz o aumento do risco à saúde pública e ao meio ambiente.

Explica-se: o consumo, especialmente o desnecessário, pressuposto do crescimento econômico continuado, conduz ao aumento da destruição de áreas naturais, que serão destinadas à produção de mais energia, e também ao uso de energias perigosas, nocivas ao meio ambiente, potencialmente causadoras de mudanças climáticas ou que ao menos exigem a destruição ou modificações radicais do ambiente natural. São exemplos a energia nuclear, com o temor permanente de vazamentos radioativos; o uso e descarte irresponsável de baterias que contaminam o meio ambiente com metais pesados; ou a energia hidroelétrica que requer a inundação de milhares de hectares de nossas florestas, com sérios impactos ambientais e muitas vezes também sociais.

Precisamos de energia? Certamente que sim. Mas não precisamos de qualquer forma de desperdício.

Ainda que não cheguemos a um consenso sobre uma energia ser boa ou ruim, devemos convir que consumismo e desperdício induzem degradação ambiental, provocam direta ou indiretamente o aumento dos riscos à saúde pública e ao meio ambiente e podem mesmo contribuir para as mudanças climáticas, aumentando os riscos de desastres naturais ligados ao aquecimento global. Como falado em tópico anterior, tudo e todos estamos ligados neste planeta.

Logo, se queremos fazer algo pelo nosso bem-estar e sobrevivência nesta Terra, saibamos que não é possível escolher responsavelmente que tipo de energia teremos, se boa ou má para nós ou para o meio ambiente, enquanto não tivermos consciência de que nós somos os responsáveis, direta ou indiretamente, quer tenhamos consciência disto ou não, pelas decisões dos governos e empresas no tocante à implantação de usinas nucleares, térmicas ou hidroelétricas, cada uma causadora de diferentes tipos de riscos e problemas, por maior que sejam o conforto, ainda que aparente, que elas nos proporcionem.

Não é possível reduzir o número de usinas nucleares ou qualquer outro tipo de usina, para diminuir os riscos e prejuízos para a saúde das pessoas e para o meio ambiente, sem começar pela decisão de mudar os padrões de consumo. Não se trata de ideologia ou de um problema do povo japonês, ou chinês ou de qualquer outra localidade. É um problema seu, meu e de cada um de nós que habitamos este Planeta Terra. Pois a sustentabilidade é incompatível com o supérfluo.

No dia do consumidor, pense nisto e comece a agir, para que usemos apenas o necessário para o nosso dia-a-dia.